03 maio 2015

SOBRE DESAPEGO

Tem menos de um mês que passei por uma situação complicada e de vez em quando me pego refletindo sobre isso, como agora enquanto escrevo esse post. Não só pelo o que aconteceu, mas sobre um sentimento que vem muito além disso e que eu já esbarrei, por exemplo, em todas as vezes em que ameacei participar do The Burning House Project. Sabe, aquele projeto em que você separa e fotografa objetos que você salvaria caso sua casa pegasse fogo.

Minha mãe é que costuma dizer que pra essas coisas eu sou muito fria, como quando doei todos os meus livros (cerca de 200 livros que ela tinha me dado no decorrer da minha infância) pra um hospital infantil. Eu já os tinha devorado ao máximo e sabia que naquele momento outras crianças fariam muito mais proveito do que eu. Sei lá, talvez o desapego seja também uma necessidade e eu precise dessa energia circulando all time. 

Aí quando me pego tentando separar mentalmente objetos queridos para serem salvos em um clique eu só consigo pensar no que cada um significa pra mim. Como numa despedida, as boas memórias e aprendizados ficam guardadas mas algo se vai. Algo precisa ir, algo já foi desfrutado e precisa abrir espaço para novas experiências, novas memórias. Até mesmo as fotos de infância talvez precisem dar espaço para novas fotos, das crianças agora adultas ou até mesmo de outras crianças.

No caso do roubo eu tive meu luto sim. Chorei pela despedida brusca, chorei pela violação. Mas também me senti abraçada pelas experiências que cada objeto levado me trouxeram e mais uma vez me permiti dar espaço pra novas experiências, novas energias. E toda vez que me pego pensando em tudo o que doei, em tudo o que me foi levado ou em tudo que tenho, o que vejo são experiências.

Talvez até seja frieza, talvez seja meu jeitinho Pollyanna de ser ou talvez seja só uma forma inconsciente de tornar a vida mais leve.

23 comentários

  1. Eu também sou bem desapegada Ba, e acho que cada um com seus motivos... no meu caso, acredito que tenha sido pela vida tbm ter me tirado coisas/pessoas de forma brusca, e a gente acaba refletindo melhor nossa "vivência" após isso.

    Que bom que somos privilegiadas a ver o lado bom de tudo, né?
    Um bj,
    Re

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. exatamentchy rê, vai muito da história de cada um né? e põe privilégio nisso ♥

      Excluir
  2. Pollyanna foi o primeiro livro que li na vida (tinha uns 8 anos, haha) preciso reler pra lembrar melhor dos ensinamentos lindos dele ♥ Adorei sua forma de ver as coisas, uma forma positiva de ver que nada é permanente nessa vida, menos ainda as "coisas".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. te falar que eu só li as primeiras páginas mas nunca esqueci delas, HAHA e exatamentchy, coisas são ainda mais temporárias :)

      Excluir
  3. Olha, tô precisando ser um pouco mais assim. Eu era mais desapegada, mas depois de perder meu pai, criei um apego enorme a tudo que era dele/que me lembra ele e as vezes sinto que seria melhor se não fosse assim, sabe? Preciso aprender com você. ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah querida ♥ é como comentei ali com a rê, essa relação com o desapego vem de acordo com a nossa história e a gente vai moldando ela. outra coisa, também acredito que o apego não seja algo ruim não. desde que não te impeça de viver a tua vida :)

      Excluir
  4. Eu não sei o que acontece, eu sou bizarramente apegada... Tenho papéis que guardo desde o prezinho, faço questão de guardar tudo que eu desenho/escrevo. Joguei fora todas as apostilas da faculdade, mas guardei os cadernos. Se eu tivesse que salvar as coisas caso minha casa estivesse pegando fogo, eu acho que teria dois cenários: ou eu morreria queimada tentando carregar tudo ou me preocuparia em salvar minha família e acabaria morrendo queimada também. Talvez mais a segunda opção. Consigo me ver carregando a mãe, os irmãos e os gatos pra fora hahaha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. essa de carregar a família e os bichanos sou super adepta mas esse apego com coisas eu não consigo ter, haha não consigo mesmo. e até acho o máximo quando reencontro coisas antigas como diários e afins, mas é porque esqueci em algum lugar hahaha

      Excluir
  5. Eu sou bem desapegado com as coisas também. tanto que já perdi meu HD do computador várias vezes e nem "tchum" para as fotos e textos. E se minha casa pegasse fogo eu não sei o que salvaria. hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nooossa, perdi arquivos milhões de vezeeees. até bate uma raiva na hora mas depois eu fico tipo: woooow, quando espaço livre hahaha

      Excluir
  6. Eu tenho um problema (?) parecido, tirando um urso de pelúcia e um relógio, eu sou totalmente desapegada com as minhas coisas. É bem comum eu falar "pode ficar" se alguém chegar e parecer gostar muito de alguma coisa minha - na medida do bom senso, né? Não vou sair dando meu iMac para ninguém, haha. Também é super norma e fazer limpas semestrais no guarda roupa e doar quase tudo porque enjoei e jogar uma porrada de coisas fora.

    As vezes bate um certo arrependimento de "ah não devia ter jogado tal coisa fora", mas normalmente passa bem rápido. Sei lá, para mim boas lembranças ficam na memória, não em objetos.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. também sou bem nessa pegada. fico toda animada quando presenteio alguém, principalmente quando é algo que representou algo pra mim :)

      Excluir
  7. ai, esses dias me aconteceu algo que eu ri muito. tava eu com aspirador de pó perto da cômoda com toooooodos meus brincos e aneis hahahaha

    aí aquele barulho.. algo foi lá pra dentro. eu quase surtei ja queria abrir o aspirador.... aí pensei, bom, vou pensar nos aneis e brincos que mais gosto. Aí os que eu pensei estavam alí. "bom, se eu nao lembrei é porq nao gosto tanto assim" deixa pra lá entao hahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. meeeu deus, imaginei toda a cena HAHAHAHA mas é bem nisso mesmo. o que eu mais gosto tá aqui? ah então tá

      Excluir
  8. esse post, tão lindo <3 eu, ao contrário de você, sou super apegada a tudo, incluindo objetos! livrinhos, bilhetinhos, canetas, qualquer treco que carregue memórias. isso acaba deixando a gente mais pesado mesmo. muita preocupação com coisas que no final das contas são só coisas... como isso que aconteceu contigo. é péssimo, a gente fica com raiva, mas o que importa mesmo são as memórias e experiências que a gente tem. acho que pessoas que pensam como você levam vantagem pra viver uma vida mais leve mesmo :) um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, sim. acho que quanto maior o apego maior o sofrimento quando rola a perda né? tipo relacionamentos. não que dê exatamente pra comparar perder coisas e perder pessoas mas a ideia é quase a mesma. pelo menos eu sou assim, HAHA. e simmm, a vida fica muito mais leve e tranquila de lidar, graaaças

      Excluir
  9. Talvez seja o bom senso de que chorar por algo que aconteceu, e está muito longe de você poder te feito algo sobre, seja a forma mais inteligente e racional de lidar com isso. Que melhor vários bens que tua saude ou a vida de alguém. Pode ser pollyana, pode ser fria, mas é sensato e é o jeito correto. O que já foi, foi. Vida que segue~

    http://www.paleseptember.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai tany, bem isso sabe. vida que segue ♥

      Excluir
  10. POOOOXA MULHER ;-; Fiquei um tempão longe daqui e perdi várias coisas, e que chato isso que te aconteceu ;((( Mas super te admiro pela forma como você reagiu e me faz refletir também! Tudo que lhe foi roubado vai voltar pra você, e melhor!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaaah querido, faz parte né. coisinhas da vida. por mais que doa e tudo mais, a vida tem que continuarrrr ♥ e obrigada pelo carinho sempre :*

      Excluir
  11. bateu fundo qdo citou fotos de criança...essas não, são tão poucas que não consigo me imaginar me desfazendo voluntariamente delas...#apegototal...kkkkk
    primeira vez aqui! olá! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAHAH adoro rever fotos da minha infância mas não consigo me ver presa nelas, vai entender...

      Excluir

© BMRTT
Maira Gall