menu
4.2.19

Esse final de semana decidimos ir pra Gamboa, apesar da previsão ser de chuva nos dois dias. Considerando que ultimamente tem feito um calor tão desgraçado e eu simplesmente não-aguento-mais, qualquer sinal de refresco eu já tô amando. Friozinho, pode continuar que tá ótimo!


@a.crespa foi com a gente e, pra variar, dormiu no carro. É tão ritual dela já, dormir em tudo que é canto, que eu praticamente tenho uma coletânea de fotos dela dormindo. Sério. Só nesse post são duas.


Fica aqui registrado a primeira vez em que desenconchamos (muito) marisco. Algo que não sou muito fã de comer mas que entra na minha lista de coisas aleatórias que eu me divirto fazendo. Mas também é cansativo, vale avisar.


Uma coisa que eu gosto muito na Gamboa é esse hábito nosso de ouvir música. De pararmos todos pra curtir o que estiver tocando, prestar atenção nas melodias. Músicas de uma época que nem minha é mas que a gente curte como se fosse. 


Pausa para esse belíssimo registro onde eu faço um carinho no pé do Toni, pós massagem. Enquanto me acomodo no colinho d' @a.crespa que também ganha massagem da mamis. Não tem como o combo dia chuvoso, família, música boa e massagem coletiva dar errado. Não tem.


Aliás, aproveitei o embalo desse finds cheio de registros pra testar filtro novo e tô amando forte. Até a comida e os drinks que já são maravilhosos ficaram ainda mais tentadores. 


Gamboa, já falei que te amo? 
25.1.19



Eu já pensei em vir aqui diversas vezes pra falar dos últimos rolês, do que tenho assistido ultimamente, da tal retrospectiva desse ano que passou, dos móveis novos, dos que ainda quero comprar, etc etc etc. Mas a verdade é que eu tenho me sentido imersa em puro esgotamento mental. Aquele feeling de que a mente não consegue relaxar.

Por conta desse esgotamento eu sinto que meu lado criativo fica em stand by e todo o resto fica super automatizado. Acabo me dando conta disso quando, apesar de querer e sentir falta, eu não consigo escrever no blog, não consigo ler posts, nem me prender muito tempo em alguma série ou filme. Eu fico dispersa. 

Outra coisa que me faz perceber esse esgotamento é quando sonho que estou fumando. Vejam bem, cigarro é algo que larguei já tem uns cinco anos e, gloriadeusa, não sinto a menor falta. Ainda assim, em semanas muito intensas, quando me sinto muito sobrecarregada, me pego sonhando que estou fumando descontroladamente.

Corpo da gente tem umas formas interessantes de sinalizar os excessos. Aqui, por exemplo, eu sinto que preciso desacelerar, estabelecer limites, organizar essa caixinha de pensamentos. Fica difícil aproveitar o dia com tranquilidade quando estamos fazendo qualquer coisa enquanto pensamos nas outras milhares de coisas que precisamos resolver.  

Desacelera, Barbara! Assim já não sobra energia pra resolver os problemas da vida, quem dirá pra curtir o dia com coisas leves. Desacelera e reorganiza!



9.1.19

Tô aqui cheia de fotos da mini férias de fim de ano e sentindo saudade da praia. Saudade do barulhinho do mar, das roupinhas leves, da mamis pedindo pra passar filtro solar nas costas dela, das gargalhadas do padrasto — porque ele me acha muito engraçada :)


Só não sinto falta do torrão que eu tomei, meudeus. Passem filtro solar, repetidas vezes no dia. Bebam água, muita água. Não dá pra sair com o bronze perfeito em um único dia de praia. Não passem um dia fucling inteiro sob o sol sem nem se esconder um pouquinho no guarda-sol. Sério, nem a sua axila vai escapar.


Teve um belo dia que eu queria dar um rolê com a boia Willy porém o mar estava revoltadíssimo e o máximo que conseguir foi encher a calcinha do biquíni de areia e sair do mar com o joelho ralado pós caldo.

Também teve um outro dia em que a crespinha não ficou tanto quanto eu gostaria mas curtiu uma tarde de praia com a gente. Até séria feat reflexiva a desgraçada é bonita. Te amo criatura ♥ 


Muito gostosinho curtir umas praias. Tão bonitas as cores, tão bonitas.

As vezes a gente até que esquece que em qualquer outra situação é só ódio e tremedeira por conta do calor infernal que faz nessa estação. Mas só as vezes que a gente esquece. 


Gamboa, te amo!