16 junho 2016

Uns dias em Erechim

Cheguei aqui em Erechim lá pelas 4am de segunda-feira depois de duas semanas extremamente cansativas. Resolvi me dar férias, enquanto ainda posso me dar o luxo. Acho até que só hoje, nessa quinta-feira chuvosa, é que eu realmente diminui a frequência e comecei a sentir o cansaço das últimas semanas. Relembrando os tempos de: pior que zumbi atropelado, tirando a parte da fome (ou não).


Apesar de ser a primeira vez que estou sentindo o frio de Erechim — minha mãe mora aqui já tem alguns anos e já a visitei algumas vezes — eu ainda prefiro o frio daqui do que o frio de Florianópolis. Aliás, tudo fica mais fácil quando se tem aquecedores, muitas cobertas, lençol térmico (que coisa maravilhosa, meudeus) e quando não é preciso acordar cedo. 

Agora eu só espero conseguir recarregar as energias nos próximos dias, desestressar, matar a saudade da mamis (e da comidinha dela), tirar o atraso das séries, das leituras e do blog. Oremos. 

01 junho 2016

Saldo do mês | 0516

Aparecendo assim, como quem não quer nada, depois de quase um mês sem dar as caras. Acontece. Vida ficou corrida, ficou agitada. Bateu ansiedade, bateu desespero, bateu umas (várias) crises, bateu esperança. Caramba, estamos em Junho. 

Mas e o mês que passou?


No fundo eu acho que Maio seguiu quase que da mesma forma que os últimos meses, cheio de reflexões. Uns meses com mais e outros com menos. Acontece que, quando a gente começa a sacudir a vida da gente — começa a separar o que faz bem, o que não faz, o que a gente quer — a cabeça fica meio bagunçada mesmo. No que isso acontece, rola a necessidade de parar e colocar tudo no lugar, definir prioridades e rumos. Comigo é assim, e com vocês?

Maio foi isso, um mês de decisões. Sobre coisas que eu ainda vou querer compartilhar mas que eu decidi esperar acontecer. Quando eu fico tempo demais a deriva e possibilidades surgem, eu acabo me afobando (demais). Nisso, lá vou eu respirar fundo de novo, mentalizar um calma bazinha e dar um passo de cada vez. Vamos por partes.

No fim eu acho que dá tudo certo, as coisas se ajeitam, as feridas cicatrizam e a gente ainda vai aprendendo com tudo isso e mais um pouco. Deixando as energias circularem, trocando as bads por um pouquinho de paz de espírito porque né, corpo e mente agradecem. Transformando tudo em força pra seguir e gratidão por todos que nos apoiam e nos ajudam, principalmente, nos momentos em que nem a gente se encontra mais.


Não fiz vídeo do mês porque esqueci totalmente de gravar qualquer fragmento, sorry. Mas ó, pretendo voltar com os vídeos esse mês (de junho) (juro). 

09 maio 2016

Favs No. 02

Criei vergonha na cara pra começar a escrever a segunda edição da minha newsletter depois de dois meses no limbo (antes tarde do que mais tarde) (pra se inscrever é só clicar aqui) e aproveitei pra trazer a segunda edição de links favoritos dessa internet aqui também porque né, aproveitar a vibes antes que eu caia no limbo novamente. 

Let's go?


— Comecemos então com esse Short Film da Renata Cechinel que eu amei assistir e rever tantas vezes que olha, maravilhoso. É lindo demais, me dá uma vontade absurda de filmar mais e caramba, a paz que ele trás. Sério, assistam!

— O blog da Luiza, o Piramides. Espacinho que eu tenho curtido cada vez mais acompanhar. Adoro o layout do blog, as postagens, as fotografias, cada pedacinho desse espaço. É lindo! Vale o clica, vale acompanhar, vale se inspirar. 


— Esse post da Maria Emilia, do Amor Plural, com fotos que o Joca, filho dela, fez. Uma das coisas que eu mais gosto na fotografia é que ela nunca é igual. Cada pessoa acaba passando um pouco de si quando fotografa e ver a fotografia pelos olhos de uma criança é sempre incrível. 

— Esse lembrete da Isa, do E agora, Isadora?, que é pra gente colar na parede e ler sempre. A vida é curta demais pra gente deixar ela passar assim, no meio de muita reclamação e pouca mão na massa. 

"reclama um pouquinho com quem sabe ouvir e chega. chega. bota a bunda pra se mexer. escreve num papel, na geladeira, no espelho, anota no celular, põe lembrete, baixa app. mas facilita. não deixa de fazer, de ser, de dizer."

 ♥
© BMRTT
Maira Gall