20 fevereiro 2017

It's a trap!

Sexta-feira durante um churrasco inventamos de fazer uma trilha no domingo (ontem). Apesar da minha ideia inicial ser a de passar o final de semana inteiro de molho, topamos. Fazer um trilha parecia ser o tipo de coisa bacana e diferente a se fazer. Tão ingênuos...

Escolhemos a trilha da Lagoinha do Leste, em Florianópolis, iniciando via Praia do Matadeiro para, depois de curtir a Lagoinha, finalizar a trilha via Pântano do Sul. Fomos em dois carros, um deixado no começo da trilha e o outro deixado no fim da outra trilha. Guardem essa informação.

A trilha é tranquila, eles disseram. Cerca de duas horas, eles disseram.

IMAGEM VIA UATAPI / editei o nosso trecho percorrido em amarelo

A realidade? Tanto a primeira trilha, mais longa, quanto a última, relativamente menor, foram puxadíssimas. O que a primeira tinha de longa a última tinha de íngreme. A sensação? De que era o momento perfeito para sermos salvos pela nave mãe, o que não aconteceu como as dores no meu corpo podem constatar. A vista? Linda demais.

COMEÇO DA TRILHA / ainda não sabíamos o que realmente nos esperava


Muito filtro solar, repelente, água (muita água mesmo), sanduíches e frutas. Tudo o que você beber você vai transpirar e a sensação é de que a sede nunca passa, mesmo. Mas a vista é tão linda.


Você vê o quão despreparado está a cada vez que seu corpo pede arrego, o que não foram poucas as vezes. Ainda assim, o arrependimento não é real porque o feeling é bom demais.

IM GONNA DIE

CHEGANDO NA PRAIA DA LAGOINHA DO LESTE / sensação de alívio & vitória é absurda

[RISOS NERVOSOS]

No começo da praia da Lagoinha do Leste tem um lago logo a direita (no mapinha do início do post dá pra ver melhor), que foi onde nos refrescamos. Já quanto a água do mar, bom, o choque térmico seria demais e a gente não quis arriscar. 


A primeira trilha tinha cerca de 4,5km e levamos cerca de 3 horas pra chegar na praia da Lagoinha. Já a última trilha tinha cerca de 2,5km e da lagoa até finalizar a trilha levamos mais cerca de 2 horas. Percorridos mesmo, acho que chegamos aos 10km. Não é a toa que qualquer breve movimento que dou hoje meus músculos me fazem lembrar de todas as vezes que eu ameacei pedir arrego ontem.

ÚNICAS DUAS OPÇÕES DE ACESSO A PRAIA DA LAGOINHA, TRILHA OU BARCO

Agora, lembram do lance de irmos com os dois carros e de deixarmos um no começo e o outro no fim da trilha? Pois é, a ideia teria sido genial se a gente não tivesse deixado a chave do último carro dentro do primeiro, lá no começo da trilha. Nessas horas a gente não sabe se ri ou se chora e depois agradece pela existência do Uber por salvar a nossa vidinha em momentos de não-sei-se-tô-viva-ou-se-tô-morta.

It's a trap, mas vale a pena sim.

17 fevereiro 2017

Diálogo No. 17 | Papis & o Netflix

Eternidades atrás aderi ao Netflix e o pai, ao ver que não tinha nenhum dos documentários que ele assistia e nem os filmes que ele queria assistir, fez descaso e não tocou mais no assunto. Até que, um belo dia, cheguei em casa e os seguintes diálogos (em momentos totalmente aleatórios) seguiram:

— o que tá acontecendo que já é a segunda vez que tô assistindo um filme e ele acaba do nada?
— um filme de 54 minutos, ué. que estranho
(clico em voltar e... HOMELAND T1E2)
— PAI, ISSO É SÉRIE!
***
— será que dou comida pros bichos agora ou continuo assistindo?
— que?
— é, acho melhor eu já dar comida e depois assistir tranquilo
***
— até pensei em comer uma bolachinha mas acho que vou voltar pra terminar o seriado
***
— ai, acabou a primeira temporada
— mas tem mais duas pai (no netflix)
— só mais duas?
***
— meudeus tá ficando cada vez melhor
***
— me lembra de temperar esse frango antes de eu assistir a série se não já era
***
— 17hs que não chega nunca pra eu poder assistir minha série

Só posso dizer que:


Obs. 00 — Ele já assistiu as 6 temporadas de SOA e ficou indignado porque acabou-do-nada. Expliquei que a última temporada não tinha no Netflix. Achou um absurdo e no dia seguinte pediu pra eu baixar porque vai-que-eu-não-tenha-nada-pra-fazer-pós-expediente-quando-estiver-viajando.

Obs. 01 — Começou a assistir House Of Cards e não gostou porque política-é-chato-demais. Falei pra ele tentar com outra série. Minutos depois escuto tocar a abertura de OITNB e ele dando gargalhadas. AIMEUDEUS.


Esse post tá salvo desde março de 2016 e até agora já fui intimada pra assistir séries que ele gostou, já recebi ligação pedindo dica de série e já vi ele passar um dia inteiro na frente do Netflix. 

01 fevereiro 2017

Saldo do mês | 0117

Janeiro foi assim, pisquei e acabou. Tive lá meus quatro dias de mini férias na Gamboa mas se a vida fosse só praia e férias a gente nem passava tanto tempo reclamando no twitter (apesar de ultimamente eu não ter tempo nem pra isso). Só que tá tudo bem. Tem dias que a gente vive e tem (vários) dias que a gente sobrevive. Veja bem, até consegui separar quatro registros desse mês.


A primeira é da bazinha registrando esse momento mágico que é de poder soltar os cabelos e não precisar estar de uniforme. A parte triste é que foi no banheiro do consultório que eu precisei ir graças a uma infecção urinária que me torturou por quase duas semanas (que eu passei trabalhando e chorando internamente). But, problema resolvido. Antibiótico, amém.

A segunda foi lá na Gamboa aproveitando minha mini férias de quatro dias no cafofo da mamis que ainda tá em processo de construção mas que já é pura maravilhosidade. O que me faz ter certeza que eu realmente amo cômodos grandes, clarinhos e com muita luz natural. Clichê mas é verdade. (sim o piso é lindo demais e eu que escolhi #bazinhaorgulhosa)

Já a terceira é aquele tipo de registro que serve mais pra tu não entrar em pânico por esse ser o único pedaço do seu cafofo que não tá de pernas para o ar. Sério, que bagunça desgraçada. [crying internally]

Por fim, a quarta em que eu passei resolvendo coisas em plena folga e pensando nas roupas que eu poderia ter lavado. Sim, eu poderia pensar nas praias que eu poderia pegar também mas perder metade do único dia de folga da semana no trânsito não é lá muito motivador. Pensar nas roupas é menos desesperador.

Agora, pra vocês não acharem que foi só sofrências [...] sendo que eu quase esqueci de comentar sobre ter sonhado que o pai morria e na manhã seguinte ele infartar porém seguindo firme e forte e sobre chegar em casa exausta do trabalho, morrendo da dor na bexiga e encontrar a cozinha alagada porque a caixa d'agua estourou e a abertura da lâmpada resolveu virar uma cachoeira [...], aquele videozinho do mês pra dar uma animada. [nervous laughter] Solta o play.


© BMRTT
Maira Gall