menu
27.1.24

O surto capilar de Setembro, 2023

Acabei me dando conta que postei o resumão de Setembro e esqueci completamente de trazer para cá alguns dos milhares de registros que fiz no dia que resolvi platinar o cabelo, pouco antes do mês acabar. No fim das contas acho que ainda bem que esqueci, essa pauta merece demais um post só pra ela. Surtos capilares, mais especificamente o tal do loiro global. Seja lá como chamam hoje ou vão chamar no futuro o surto de descolorir o cabelo inteirinho. 

Não bastando ter decidido platinar eu também decidi que era o momento certo de tentar uma franja, mesmo sabendo que 1) tenho um redemoinho bem na testa que só sossega com progressiva e 2) eu não tenho a menor paciência para secar, escovar ou ter qualquer cuidado extra com cabelo. Sem paciência e sem habilidade. Ainda assim pensei: — nossa, cabelo cresce né o que pode dar de errado? querida barbara do passado obrigada pela coragem e enfim ter matado a vontade & curiosidade mas né putaqueopariu francamente 

Sai do salão com tantos produtinhos e finalizações no cabelo — depois do secador literalmente explodir do lado da minha cabeça e eu nem piscar porque claramente já em transe dormindo depois de ficar 84 anos sentada naquela cadeira — que eu só pensava na ciladinha que tinha me enfiado. Se sai fofa com aquilo tudo no cabelo imagina como eu ia ficar sem aquilo tudo acordando na maior preguiça antes de ir trabalhar? Questões.

Sai fofa né? Imaginem que sim e, vejam bem, aparentar ser fofa não condiz com a minha personalidade. Não sei ser fofa, nem vestida de rosa. Ou talvez seja só como eu me vejo, conflitos de imagem. Enfim. Como o salão fica próximo da minha casa resolvi voltar para a pé. Ainda bem. 

Cheguei em casa maravilhosamente descabelada — a minha versão jovem rebelde amava arrumar os cabelinhos pós banho andando na rua em dias de muito vento — e isso me fez pensar que talvez a minha ideia de cometer surtos tinha sido muito boa. 

Tirei uma infinidade de registros tentando me acostumar com a minha nova imagem, completamente confusa se feliz ou desesperada com o surto. Sara se divertiu horrores porque ela que apertada no botãozinho do celular. 

Testei filtros, luzes, ângulos e sabe-se lá mais o que pra ir me acostumando com a minha nova carinha naquele belíssimo dia. O que me fez pensar no trabalho que aquela franja já estava me dando. Nisso eu me dei conta de outra coisa muito importante, chamada: tempo. Isso mesmo, o tempo que eu tinha livre quando jovem para fazer merda no cabelo e me esconder dentro de casa, pois não trabalhava, quando achasse necessário. Esqueci do simples detalhe de que quando adulta, com muita sorte, consigo me esconder por no máximo dois dias (nos finais de semana). 

Como aqui aparentemente temos mais sorte do que juízo, no dia seguinte acordei e gostei um pouco mais do que vi no espelho — nesse dia ainda sem lavar a juba por orientação da cabelereira porque alguns dos produtos precisava ficar sei lá quanto tempo no cabelin etc etc etc. A franja ainda sem saber se seria franja, pelo menos não por vontade própria, e essa que vos fala com uma carinha de jovem doida que eu tanto sentia falta. Estava, confesso, um pouco cansada da minha cara de adulta-mãe-normal. Saudade da versão apocalíptica, acho que chamam assim agora. 

Considerações

  • Aceitei que a minha franja só fica para o lado mesmo e estou ansiosa para que deixe de ser franja. Mesmo que dê um certo movimento no cabelinho e me achei bacaninha assim, já me dá um gasturinha precisar passar pelo menos um minuto com o secador ajeitando a quase franja toda manhã.

  • Não preciso lavar o cabelo todo dia sendo que com ele (quase) in natura eu lavava todo fucking dia. Apesar de sentir necessidade de ajeitar a franja pela manhã, é só isso que eu preciso fazer para colocar a cara na rua. Ironicamente mais prático nesse quesito. 

  • Como eu lavo o cabelo a noite, depois do banho preciso secar a juba e demora mais tempo para secar os cabelin platinado do que natural. Além de que nunca sei se vai ficar parecido com uma Barbie nova ou com as bonecas descabeladas da Sara. Ironicamente menos prático nesse quesito. 

  • Apenas com a progressiva eu ia no salão no máximo duas vezes ao ano e com ele platinado vou falir e/ou ficar careca. Retoquei pela 2ª vez pouco antes do Natal e já cansei. O cabelin parece estar se desintegrando, notei que estou com menos cabelo ainda e zero preparada para gastar mais dinheirinhos.

  • Não me gosto de cabelo amarrado porém com ele platinado e com a pseudo franja até que gostei do que vi. O problema é que isso parece que ficar legal apenas por uns dois dias após retocar a raiz. Não vale o trabalho. 

  • Ainda não decidi se foi vou cometer o mesmo surto pós surto da última vez ou se vou começar uma transição de cor (aqui ainda não sei se pra ficar apenas com luzes ou se voltar para o natural).

  • Acho que se meu cabelo não estivesse tão fraco e eu não tivesse perdido tanto cabelo devido ao pós parto & químicas capilares, provavelmente ficaria mais um bom tempo com ele platinadão. Tem lá seu gasto e trabalho para cuidar e manter mas no dia a dia, que é o que mais me incomoda, é absurdamente prático. Parece estar sempre bagunçado & arrumado na medida que eu gosto. Além do fato de que assim me sinto mulher-jovem-mãe-madura-normal-apocalíptica na medida certa. 

Resumo da história? Não sei. Talvez nunca mais faça isso, talvez dê um tempo para o cabelinho se recuperar e teste uns produtinhos para aumentar a quantidade de fios (nem sei se isso existe) antes de voltar para a versão platinada porém sem franja, talvez eu me irrite com todas as possibilidades e mate de vez a curiosidade de raspar a cabeça. Talvez. 

3 comentários:

  1. Eu achei que ficou incrível um platinadão assim, combinou com o teu estilo!
    Eu fiz mechas duas vezes na vida e, como qualquer cabelo tingido, dá mais trabalho mesmo. Por isso parei de mexer na cor, mas não no corte hehehe
    Se tu desistir de raspar o cabelo e se sentir aventureira o bastante para experimentos, em vez de fazer uma transição capilar em todo o cabelo tinge a camada de baixo da cor original. Não vai perder o plantinado na camada de cima e talvez a mescla das cores fique tri prendendo o cabelo ou numa trança.

    ResponderExcluir
  2. Franja a gente só acha bonito quando não tem. Depois só enche o saco ter que ficar dando manutenção. No meu caso, eu uso para esconder meu rosto. É o preço que pago pra ficar menos ruim :)

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial